Alta do preço do trigo pode reverter tendência de redução da área plantada no RS

O aumento do preço da saca, que está próximo a R$ 50, estimula produtores a investirem no trigo

Publicado em 05/06/2018

Previsão é de manutenção dos 699 mil hectares do ano passado ou até em leve aumento em relação à safra de trigo de 2017

Foto: Divulgação Biotrigo/Dirceu Portugal

Compartilhe:

Se no início do ano as projeções para o plantio do trigo no Estado estavam carregadas de pessimismo, com perspectiva de novo recuo de área em estimativas de até dois dígitos, agora, o panorama é outro. O cenário ainda está muito longe da euforia, mas fatores como a valorização do preço do cereal no mercado fizeram o produtor rever os planos. O resultado é que agora, quando a semeadura se intensifica no Rio Grande do Sul, já se fala na manutenção dos 699 mil hectares do ano passado e até em leve aumento.

 

"Houve valorização grande do preço recebido pelo produtor nos últimos 15 dias. Tem gente vendendo a valores próximos de R$ 50 a saca" – diz Hamilton Jardim, presidente da Comissão de Trigo da Federação da Agricultura do Estado (Farsul). Segundo a Emater, o valor médio pago pela saca no período de 28 de maio a 1º de junho é de R$ 41. No do ano passado, era de R$ 29,83 (de 29/5 a 2/6).

 

Em março, quando consultado pela coluna, Jardim estimava diminuição de 17% da área destinada ao cereal. Atualmente, trabalha com a estimativa de manutenção. Além da questão preço, ele cita como fatores importantes para a possível reversão a falta de chuva no Paraná, com redução no potencial produtivo e a capitalização dos produtores do norte gaúcho – região onde a soja teve bom desempenho no verão.

 

Assistente regional da Emater de Passo Fundo, Claudio Dóro acrescenta ainda a previsão do tempo favorável à cultura como ingrediente a ser considerado nesta equação: "Na região, deve-se repetir ou ter leve aumento de área, principalmente nas médias e grandes propriedades, nos produtores com alta tecnologia, que investem forte nas lavouras."

 

A greve dos caminhoneiros teria atrapalhado o avanço da semeadura, por falta de produtos para a adubação. Segundo dados da Emater, o cultivo estaria em 5% da área total, ante 12% normalmente registrado para o período.

 

Presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (Fecoagro-RS), Paulo Pires, que também é produtor de trigo, estima que a área cultivada já chegue a cerca de 15%. "O produtor reservou espaço para o cereal e está plantando. Há tradings já fazendo contratos de trigo para novembro, para exportação" – conta Pires, acrescentando que a variação cambial é outro fator importante.

Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/colunistas/gisele-loeblein/noticia/2018/06/alta-do-preco-do-trigo-pode-reverter-tendencia-de-reducao-da-area-plantada-no-rs-cji0cx5wd0aa701patqt42l44.html

Receber Bionews

Notícias Relacionadas

Atendimento

Segunda à sexta das 07:30 às 12:00
e das 13:00 às 17:20

Passo Fundo - RS

Estrada do Trigo, 1000
Bairro São José - CEP 99052-160
Caixa Postal 3100

+55 54 3327-2002
biotrigo@biotrigo.com.br

Campo Mourão - PR

Rodovia BR 158, 3741
Avelino Piacentini, KM 8 - CEP 87309-700
Bairro Jardim Batel II

+55 44 3525-6447
regionalnorte@biotrigo.com.br